Destaques

13 junho 2018

Conheça a trilogia "As travessuras da minha menina má" de Otávio Bravo


Olaaaaaá! Como estão?
Hoje eu vim aqui para falar de um lançamento que estou muito curiosa para ler. 

Inspirada na obra do autor peruano Mario Varas Llosa, o autor Otávio Bravo lança a trilogia "As Travessuras da Minha Menina Má".


Volume I: Na primeira parte do seu relato, antes da entrada da menina má em sua vida, Victor descreve as aventuras da sua juventude, em meio ao frenético Rio de Janeiro do final dos anos 80: as descobertas da adolescência, a idolatria pelo irmão mais novo, Caíque, o primeiro amor, Marcella, as escolhas profissionais, a partida para Cambridge e as perdas terríveis que é obrigado a enfrentar. 

Volume II: Depois de mais de uma década afastado do Brasil, Victor retorna ao Rio de Janeiro, como acadêmico respeitado, próximo dos quarenta anos. Finalmente, conhece a sua menina má, Maria Eduarda, tão encantadora quanto inconstante. Vivem as quatro estações da sua paixão: a aproximação enamorada, o tórrido romance, o surgimento dos obstáculos decorrentes da personalidade volátil e indecifrável de Duda e o afastamento definitivo. 

Volume III: Victor narra o tempo posterior ao romance com Maria Eduarda: os desvarios cometidos na Europa, em meio às drogas e à insanidade, a recuperação gradativa no Rio de Janeiro, o retorno a Cambridge e os vários reencontros com Duda, pelos cantos do mundo, numa montanha-russa de amor, perdas, encanto, ilusão e tragédia.

***

A trilogia tem lançamento previsto para o dia 22 de Julho e contará com uma grande festa na Lagoa, zona sul do Rio de Janeiro, onde terá grandes atrações.

Os livros também já se encontram em pré-venda e podem ser adquiridos através dos links abaixo:


Eu já estou com os meus em mãos, mal posso esperar pra saber como essa trama termina. Em breve teremos resenha aqui no blog.

Para conhecer mais da obra, acesse o site e página do autor:


Beijos!

11 junho 2018

[Resenha] Mais lindo que a lua - @editoraarqueiro

Nome: Mais Lindo Que a Lua
Série: Irmãs Lyndon Livro 1
Autor(a): Julia Quinn
Páginas: 272
ISBN: 9788580417975
Editora: Arqueiro
Comprar: Amazon

Foi amor à primeira vista. Mas Victoria Lyndon era a filha do vigário, e Robert Kemble, o elegante conde de Macclesfield. Foi o que bastou para os pais dos dois serem contra a união. Assim, quando o plano de fuga dos jovens deu errado, todos acreditaram que foi melhor assim.
Sete anos depois, quando Robert encontra Victoria por acaso, não consegue acreditar no que acontece: a garota que um dia destruiu seus sonhos ainda o deixa sem fôlego. E Victoria também logo vê que continua impossível resistir aos encantos dele. Mas como ela poderia dar uma segunda chance ao homem que lhe prometeu casamento e depois despedaçou suas esperanças?
Então, quando Robert lhe oferece um emprego um tanto incomum – ser sua amante –, Victoria não aceita, incapaz de sacrificar a dignidade, mesmo por ele. Mas Robert promete que Victoria será dele, não importa o que tenha que fazer. Depois de tantas mágoas, será que esses dois corações maltratados algum dia serão capazes de perdoar e permitir que o amor cure suas feridas?(SKOOB)

"Mais Lindo que a Lua" é o primeiro livro da duologia "Irmãs Lyndon", confesso que estava um pouco apreensiva para iniciar a leitura, pois li em muitas resenhas que não era o melhor livro da autora, mas resolvi deixar isso de lado e tirar minhas próprias conclusões, afinal de contas estamos falando de Julia Quinn, isso sem comentar que a sinopse me deixou ainda mais ansiosa para ler.

O livro conta a história de Victoria Lyndon, uma jovem de dezessete anos, inteligente, doce, alegre e cheia de sonhos. Filha do novo vigário de Macclesfield, Victoria é nova na cidade e por isso resolve explorar os arredores.


Por coincidência, acaso ou destino, ela acaba conhecendo Robert, o conde de Macclesfield. E nesse encontro os dois sentem uma atração mutua. Robert é charmoso, atraente e juntamente com seu título, faz com que seja bastante cobiçado. Capaz de conseguir uma esposa dentro dos padrões sociais de seu título, o que na verdade é o que seu pai mais almeja. No entanto, ao encontrar com Victoria, as coisas mudam totalmente e como ele mesmo diz: foi amor à primeira vista. 

“ – Eu o conheci hoje.
– E acha que está apaixonada? Victoria, apenas os tolos e os poetas se apaixonam à primeira vista.
– Então suponho que eu seja uma tola – disse Victoria com entusiasmo. – Porque Deus sabe que não sou poetisa.”
Contudo, após isso, Robert e Victoria começam a se encontrar diariamente. Seus pais não aprovam nem um pouco o romance dos dois, principalmente o pai de Victoria que alega que o rapaz se aproveitará dela. Com isso, eles fazem uma tentativa fracassada de fugir para ficarem juntos e isso acaba gerando um mal entendimento que causará na separação do casal.


Sete anos depois, por intermédio do destino, Victoria e Robert voltam a se encontrar e eles percebem que tudo o que sentiam um pelo outro continua intacto e será difícil resistir a ele.

“Ela significara tudo para ele. Tudo. Ele lhe prometera a lua e estava sendo sincero. Ele a amara tanto que teria dado um jeito de puxar aquela esfera do céu para lhe entregar em uma bandeja, se ela quisesse.”
Apesar de ser muito fã de Julia Quinn, confesso que esperava algo diferente do livro. A leitura flui bem, a escrita da autora é impecável, porém, não consigo conceber a ideia de amor à  primeira vista e isso acabou estragando um pouco o livro para mim.


Devo concordar que é o livro mais "fraco" da autora. Entretanto, foi uma leitura válida de qualquer forma e eu quero muito ler o segundo para saber qual será o desfecho da história.

"Mais Lindo que a Lua" é um romance cheio de clichês, fofo aos olhos dos apaixonados. Uma leitura que eu recomendo sem muitas expectativas, ótimo para ser lido numa tarde sem nada para fazer.



Beijos!

Julia Quinn começou a trabalhar em seu primeiro romance um mês depois de terminar a faculdade e nunca mais parou de escrever. Seus livros já atingiram a marca de 8 milhões de exemplares vendidos, sendo 3,5 milhões da série Os Bridgertons. É formada pelas universidades Harvard e Radcliffe. Seus livros já entraram na lista de mais vendidos do The New York Times e foram traduzidos para 26 idiomas. Foi a autora mais jovem a entrar para o Romance Writers of America’s Hall of Fame, a Galeria da Fama dos Escritores Românticos dos Estados Unidos, e atualmente mora com a família no Noroeste Pacífico.

Esse livro foi uma cortesia da editora.

06 junho 2018

[Resenha] A Mulher na Janela - @editoraarqueiro

Nome: A Mulher na Janela
Autor(a): A. J. Finn
Páginas: 352
ISBN: 9788580418323
Editora: Arqueiro
Ano de lançamento: 2018
Comprar: Amazon
Conheça o hotsite do livro

Anna Fox mora sozinha na bela casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e... espionando os vizinhos.
Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita. Até que certa noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo – e seus segredos chocantes – começar a ruir.
Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo? E quem está no controle?
 Neste thriller diabolicamente viciante, ninguém – e nada – é o que parece. A mulher na janela é um suspense psicológico engenhoso e comovente que remete ao melhor de Hitchcock.

Apesar de amar trillers, é um gênero literário que quase nunca leio (não me pergunte porque), mas assim que soube do lançamento de "A Mulher na Janela", fiquei completamente louca e eu só sabia que precisava o exemplar (tão louca que acabei ganhando dois).

Em "A Mulher na Janela" vamos conhecer Anna Fox. Anna é psicologa infantil e sofre de agorafobia, um medo mórbido de se achar sozinho em grandes espaços abertos ou de atravessar lugares públicos (creditos: google). E no caso de Anna, esse medo a mantido presa em casa por dez meses.

"Alguns têm pavor de gente, outros, da desordem do trânsito.
Para mim, o problema está na vastidão do céu, na desmesura do horizonte, no simples fato de estar exposta à pressa acachapante da vida ao ar livre."

Seu marido e filha moram em outra casa e sua rotina é basicamente jogar xadrez na internet, acessar um site de pessoas que tem o mesmo problema, assistir filmes antigos de suspense, conversar com seu marido e filha no telefone, beber e observar os vizinhos.

Uma rotina até que normal considerando os problemas de Anna. No entanto, o grande problema é que ela bebe muito e toma remédios que não se devem misturar com álcool.


Até o dia em que observando seus vizinhos novos, Anna presencia um crime. E a grande questão é, aquilo que ela viu realmente aconteceu ou é só coisa da sua cabeça causados pela medicação e a bebida? Fica difícil acreditar que aquilo tudo foi real, já que todos envolvidos provam exatamente o contrário.

"Não é paranoia se realmente está acontecendo." 

Desse jeito nós mergulhamos na cabeça da personagem para tentar descobrir o que de fato aconteceu  (se é que aconteceu). É uma montanha russa de emoções e questionamentos, um dos pontos mais altos do livro é como o autor consegue levar o leitor nisso tudo.


Preciso dizer que peguei o livro com expectativas lá em cima e talvez isso fez com que demorasse um pouco para engatar um ritmo de leitura, mas logo depois disso os acontecimentos vão ficando tão bons que esqueci completamente esse fato. Precisava descobrir o que iria acontecer e já estava ficando agoniada.

O desfecho é maravilhoso e surpreendente. O livro é todo narrado pela visão da Anna, a escrita do autor é ótima, toda a trama foi muito bem desenvolvida e explorada. A. J. Finn virou um dos meus autores favoritos do gênero e com toda certeza quero ler mais coisas do autor.

Se você que está lendo essa resenha é fã de triller psicológico e suspense, leia "A Mulher na Janela",  pois é uma verdadeira obra-prima.



Beijos!

Formado em Oxford, A.J. Finn é ex-crítico literário e já escreveu para diversas publicações, incluindo Los Angeles Times, The Washington Post e The Times Literary Supplement. A Mulher Na Janela, seu primeiro romance, foi vendido para 36 países e está sendo adaptado para o cinema numa grande produção da 20th Century Fox. Natural de Nova York, Finn viveu por dez anos na Inglaterra antes de voltar para sua cidade natal, onde mora atualmente.
Esse livro foi uma cortesia da editora.

© Imaginação Literária • Resenhas, novidades e muito mais! – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in