[Resenha] Nove Regras a Ignorar antes de se apaixonar - @editoraarqueiro

12 outubro 2016

Nome: Nove regras a ignorar antes de se apaixonar
Série: Números do amor Livro 1
Autor(a): Sarah MacLean
Páginas: 384
ISBN: 9788580415049
Editora: Arqueiro
Ano de lançamento: 2016
Comprar: Americanas, Submarino

A sonhadora Calpúrnia Hartwell sempre fez tudo exatamente como se espera de uma dama. Ainda assim, dez anos depois de ser apresentada à sociedade, ela continua solteira e assistindo sentada enquanto as jovens se divertem nos bailes. Callie trocaria qualquer coisa por uma vida de prazeres.
E por que não se arriscar se, aos 28 anos, ela já passou da idade de procurar o príncipe encantado, nunca foi uma beldade e sua reputação já não lhe fará a menor diferença? Sem nada a perder, a moça resolve listar as nove regras sociais que mais deseja quebrar, como beijar alguém apaixonadamente, fumar charuto, beber uísque, jogar em um clube para
cavalheiros e dançar todas as músicas de um baile. E depois começa a quebrá-las de fato.
Mas desafiar as convenções pode ser muito mais interessante em boa companhia, principalmente se for uma que saiba tudo sobre quebrar regras. E quem melhor que Gabriel St. John, o marquês de Ralston, para acompanhá-la? Afinal, além de charmoso e devastadoramente lindo, ele é um dos mais notórios libertinos de Londres.
Contudo, passar tanto tempo na companhia dele pode ser perigoso. Há anos Callie sonha com Gabriel e, se não tiver cuidado, pode acabar quebrando a regra mais importante de todas – a que diz que aqueles que buscam o prazer não devem se apaixonar perdidamente.

"Nove Regras a Ignorar antes de se apaixonar" é o primeiro volume da trilogia "Os Números do Amor" da Sarah MacLean, publicado aqui no Brasil pela Editora Arqueiro.

Nesse primeiro volume nós vamos acompanhar a história de Calpúrnia Hartwell, filha mais velha do conde e da condessa de Allendale, que aos 17 anos está no baile sendo apresentada a sociedade londrina. Usando um vestido que sua mãe dizia ser o auge da moda Callie não só se sentia "embalada feito um peru de Natal", como também não se orgulhava do nome estranho que tinha, nem da forma do seu corpo ou qualquer outra coisa que dissesse respeito a ela. Em meio a autocomiserações, consegue fugir e se esconder no jardim da casa onde acontecia seu baile de apresentação para a alta sociedade, ali é surpreendida pelo Marquês de Ralston, um homem charmoso e bonito sendo conhecido com um dos mais notórios libertinos de Londres. Mesmo constrangida por ter sido pega em fragrante, Callie não pode deixar de conversar com ele e se sentir encantada quando o marquês disse que seu nome fora o de uma imperatriz forte, linda e inteligente. Naquele momento Lady Calpúrnia acabava de se apaixonar, tendo minutos depois seu coração sido partido pela primeira vez ou avistar seu príncipe encantado trocando caricias com sua amante. Para sempre ela o amaria, mas sabia que jamais o teria.

Passados 10 anos, Callie agora com 28 anos sabe tudo sobre ser uma verdadeira dama, passou por todas as tradições, foi apresentada para a sociedade, e mesmo assim, continua solteira. Enquanto as jovens vão ao baile para dançar e se divertir, Callie fica sentada assistindo tudo junto das mulheres mais velhas e acompanhantes. E apesar de às vezes se sentir melancólica, ela é feliz. Até que escuta sua irmã mais nova, que se apaixonou no seu primeiro baile e vai casar com o homem que ama, discutir com o noivo sobre o que o futuro esperava para Calpúrnia. Pouco depois desse momento, tendo conversado com o irmão, Callie passou a refletir sobre sua própria vida, sobre sua escolha de sempre seguir as regras, que talvez a tivessem afastado um pouco de quem ela realmente era, sobre coisas que sempre desejou fazer e sobre o papel da mulher. Com isso, ela decidiu fazer uma lista de desejos, com nove itens que gostaria de fazer só pelo prazer de fazer.

1. Beijar alguém... apaixonadamente
2. Fumar charuto e beber uísque
3. Montar com as pernas abertas
4. Esgrimir
5. Assistir a um duelo
6. Disparar uma pistola
7. Jogar (em um clube para cavalheiros)
8. Dançar todas as danças de um baile
9. Ser considerada linda. Pelo menos uma vez

Sem querer perder mais tempo, Callie partiu em busca de realizar esses itens, e em seu caminho estava o Marquês de Ralston.


Gabriel St. John, marquês de Ralston, acaba de descobrir que tem uma irmã. Ele e o irmão não tinham nem dez anos quando a mãe os deixara e a seu pai que não resistira a tanta dor e acabara morrendo de tristeza (literalmente), mas ao que parece a mãe constituiu outra família e tinha tido uma filha. Juliana Fiori, filha de um mercador veneziano com muito dinheiro que lhe deixara todas as suas posses após sua morte, sem sobra de duvidas era irmão deles pois além de ter os olhos dos irmãos, era a imagem da mãe. Gabriel como o mais velho, agora era responsável por ela até que sua irmã se casasse, mas Juliana queria voltar para a Itália e continuar a viver a vida que sempre conheceu, mas após ser convencida pelos irmãos ela aceitou fazer uma tentativa, agora o marquês precisava encontrar alguém de caráter impecável para ajuda-la a ser tornar uma dama irrepreensível e apresenta-la na sociedade.

Callie precisava de ajuda com sua lista, Gabriel precisava de alguém para ajudar sua irmã, eles ainda não sabiam, mas o caminho dos dois iriam se esbarrar outra vez, e agora não havia como não se lembrar de cada detalhe.

"– Não me agradeça tão rápido, milorde – começou, hesitante. – Afinal de contas, como declarou com tanto tato, ainda não pedi meu pagamento.
 Ralston baixou os olhos para ela.
 – Percebi. Suponho que não vá revelá-lo agora, para podermos acabar com isso?
 – Temo que não. Mas tenho uma pergunta um tanto estranha, no entanto, se não se importar.
 – De forma nenhuma. Ficarei feliz em responder.
 Callie engoliu em seco. Reunindo coragem e tentando soar o mais casual possível, perguntou:
 – Pode recomendar uma boa taberna na cidade?"

Entre, ajudar uma moça de bom coração a enfrentar a maliciosa sociedade londrina, viver aventuras, quebrar regras e realizar seus sonhos mais secretos, Callie percebe que estar tanto tempo na companhia do marquês de Ralston pode ser a coisa mais perigosa e corajosa que já fez na vida.

A história é narrada em terceira pessoa e se passa em Londres, em 1823, onde somos apresentados aos costumes e normais da época, é nesse cenário que percebemos o teor feminista da série que de maneira sutil nos mostra que uma mulher pode fazer tudo o que quiser. Nove regras a ignorar antes de se apaixonar tem tudo o que amamos em um romance, uma história envolvente, diálogos espirituosos, humor, drama, sedução, e aquele algo mais que não sabemos nomear.

E se você ficou curioso com a história, aproveite e já adquira o segundo volume da trilogia, Dez formas de fazer um coração derreter, que contará a história de Nicholas St. John, irmão do marquês de Ralston, e o terceiro volume com a história Juliana Fiori, "Onze leis a cumprir na hora de seduzir". Sério, não tem como não amar essas histórias e se apaixonar pelos personagens.

Esse livro foi uma cortesia da editora.

Beijos!

5 comentários:

  1. Gostei da personagem Callie por ser uma mulher forte,decidida e que foge totalmente dos padrões da época.
    Convenhamos que livros históricos ou de época, quase sempre são um pouco parecidos.
    Mas dependendo da forma de como é escrito,não tem como não adorar esse gênero.

    Espero ler em breve esse livro. Pois comentários positivos não faltam a essa série.

    ResponderExcluir
  2. Primeiramente, os títulos são apaixonantes mesmo! Não sou fã de romances de época e/ou históricos, mas de tanto ver resenhas bonitas desse livro tô começando a dar o meu braço a torcer por essas histórias que parecem ser tão charmosas. Achei bacana o artifício que a autora usou pra fazer com que os dois se encontrassem no futuro, aposto essas tentativas da Callie de quebrar as regras de um jeito ou de outro sempre vão esbarrar no marquês.

    ResponderExcluir
  3. Adoro romances de épocas, e estou super ansiosa para ler essa trilogia!
    Acho que irei me divertir bastante na trajetoria de Calpúrnia, ao desafiar os conceitos de dama na sociedade...

    ResponderExcluir
  4. Eu também amo as capas dos romances de época. Tem uma fidelidade ímpar à época. A roupas, jeitos e trejeitos!
    Amo muito tudo isso!
    E como não conhecia a história, já fiquei fascinada por tudo que li acima. Fiquei pensando em quais regras eu quebraria, afinal, mesmo neste século, ainda há muitos tabus a serem quebrados, principalmente as mulheres!
    Vai para a lista de desejados!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Com certeza encontramos esse algo a mais nessa historia, adoro os romances de época mas esse foi um livro que me conquistou, ele consegue nos trazer uma grande carga de sentimento e ao mesmo tendo um livro engraçado. Gostei muito da Callie e como ela resolve viver e adorei esse casal que me conquistou !!

    ResponderExcluir

- Comente algo sobre o post ou a respeito do blog;
Vamos adorar saber sua opnião, mas sem ofensas e nem palavras baixas, ok?

Obrigada pelo seu comentario ^^
Volte sempre!