[Resenha] A Mão que me acariciou primeiro - @BertrandBrasil

18 outubro 2015

Nome: A Mão Que Me Acariciou Primeiro
Autor(a): Maggie O’Farrell
Páginas: 322
ISBN: 978-85-286-1669-9
Editora: Bertrand Brasil
Ano de Lançamento: 2015
Comprar: Submarino, Livraria da Travessa

Neste fascinante romance, Maggie O’Farrell nos apresenta a incrível história de duas mulheres separadas no tempo, mas com o mesmo destino marcado pela arte, pela maternidade e por inúmeros segredos. A mão que me acariciou primeiro é uma assombrosa investigação sobre como conduzimos nossas vidas, quem somos de verdade e como podemos estar profundamente conectados pelos mais prosaicos acontecimentos. 

“...Ellina e o bebê se aproximam da janela. Não deixam um só instante de olhar um para o outro. Ele pisca um pouco ante a luz forte, mas sem desviar o olhar, como se vê-la fosse tudo para ele. Elina se encosta na janela que dá para o jardim. Ergue o bebê até que a testa dele encoste no rosto dela, como que a dizer a ele o quanto é querido. Como que a recomeçar tudo do início.” 

Não, esse livro não é sobre a maternidade, embora seja esse o estopim para que as tramas dessa envolvente história desenrolem. Também não é sobre os efeitos bombásticos que dar à luz a uma nova vida causa sobre nós, mulheres (Falo com conhecimento de causa, pois sou mãe de um pequeno rapaz de 4 anos que transformou minha existência e passou a ser a luz dos meus olhos), na minha humilde visão esse livro é sobre quem somos de verdade, como agimos e reagimos quando coisas realmente grandes, como a maternidade nos acontecem.

A autora Maggie O’Farrel venceu importantes prêmios literários com sua escrita particular e em algumas críticas a essa obra especificamente importantes veículos do cenário literário dizem que a irlandesa Maggie ‘disseca’ a alma feminina através dessa obra...eu concordo.

Particularmente, esse livro foi um desafio, já que tenho uma pequena implicância com livros que retratam personagens centrais em épocas diferentes, praticamente já começo a leitura com o nariz torcido rsrs não sei por qual motivo, inclusive com autores que eu gosto muito, quando vejo passado, futuro e presente todos num livro só, contando histórias de pessoas distintas, em séculos diferentes já fico meio assim... Particularidades de leitora, vocês sabem como é. Demorei infinitamente mais do que o normal para ler, alternei com outros três, mas terminei e confesso, me ganhou.


Primeiramente pela escrita da Maggie, que é rica em detalhes, em diferentes nuances e até mesmo em ritmo, o que me faz aplaudi-la de pé porque alternar capítulos dessa forma variada sem se perder é de um talento, de uma habilidade incrível.

A história é alternada entre Lexie e Elina, Lexie inicia o livro como Alexandra, uma jovem de uma cidade do interior, em meados da década de 1950 é expulsa da universidade por se recusar a pedir desculpas por algo que não fez, assim , retorna à sua pacata família de muitos irmãos, onde claramente não se encaixa. Despretensiosamente conhece Innes Kent, jornalista, que é praticamente a representação de tudo o que Lexie quer para si, uma nova realidade, numa nova cidade, um desafio para a inspirada Lexie.

Lexie se muda para Londres, começa seu trabalho na Elsewhere como jornalista, escrevendo sobre arte e descobrindo o amor e suas desventuras com Innes. Porém, Elina descobre que Innes apesar de separado ainda é oficialmente casado e sua ex esposa não aceita muito bem esse fato, descobre também que ele é pai de uma menina envenenada com o ódio da mãe... e descobre a própria maternidade,pois, decide sem hesitação ter seu bebê sozinha.


Já a história de Elina inicia de forma angustiante, pois ela está sem memória, não se recorda do parto, dos três dias de dor para que o bebê nascesse, não sabe o motivo de ter apagado de sua memória fatos tão marcantes. Então fica a distorção, já que Elina que é retratada através de seus poucos vislumbres de memória, como uma mulher satisfeita com a gestação, com seu trabalho como pintora e com seu relacionamento com o namorado Ted. Aqui preciso pontuar: quando comecei a leitura fiquei entediada com os momentos de Elina, nada acontecia. E é aí que fica evidenciada a genialidade da escrita da Maggie: essa morosidade do ritmo de Elina é proposital, pra deixar bem marcado o vazio na mente dela, a angústia de não fazer ideia do que ocorreu com suas memórias e ter um bebê nos braços, que apesar de não saber como ele chegou, sente por ele um amor imenso. No mesmo passo que Ted, passa a ter lapsos de memória, visões do passado, tonturas e instabilidade emocional. Confesso que inicialmente, achei desnecessária essas alterações no Ted, mas, depois tudo se explica e se encaixa magistralmente.Fiquem atentos a isso.

"A Mão Que Me Acariciou Primeiro" é um livro de detalhes, tanto na maneira descritiva da escrita de Maggie O’ Farrell quanto na parte visual e tátil. A textura da capa é incrível, é macia, aveludada, parece o toque da mão macia da mãe da gente, já as páginas são um pouco ásperas, já que contam uma história nada suave... E o final, a forma como tudo se entrelaça e se revela, com tudo o que estava angustiante ficando bem acertado, é claramente a afirmação que a autora sabe muito bem o que estava fazendo o tempo todo. Palmas para a brilhante Maggie!

“E nos esquecemos porque é preciso esquecer.” (Matthew Arnold)

Até! :) 

Este livro foi uma cortesia da editora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

- Comente algo sobre o post ou a respeito do blog;
Vamos adorar saber sua opnião, mas sem ofensas e nem palavras baixas, ok?

Obrigada pelo seu comentario ^^
Volte sempre!